26 de ago de 2009

Painel e Blog

Alunos de BioBio,


Como foi explicado hoje mais cedo, todos deverão formar grupos de 5 integrantes (para fazer Painel) ou 4 integrantes (para fazer Só blog), mais detalhes podem ser conferidos na ementa, e devem enviar um projeto sobre o tema que escolherem para o e-mail dos tutores (topicos_2001@yahoo.com) até o dia 04 de setembro (último dia).


Todos os e-mails devem ter os seguintes dados:

  • O assunto do e-mail deve ser o nome do painel/blog escolhido como primeira prioridade
  • No texto do e-mail, deve-se colocar:

1- Ordem de prioridade dos temas escolhidos (indicando se é Painel ou Só blog)

2- Nome, matrícula e curso dos integrantes do grupo

3- Nome, e-mail, telefone e celular do coordenador do grupo*

*um dos alunos deve ser identificado como coordenador apenas para que o tutor responsável possa se comunicar inicialmente

  • Projetos anexados (um arquivo com cada tema) devidamente identificados e com os dados do grupo após o texto

Para fazer o projeto, temos algumas recomendações:

- Depois de escolherem o tema, verifiquem os blogs dos semestres anteriores para saber o que normalmente é abordado


- Proponham novos assuntos que lhes interessem e tenham relevância bioquímica de acordo com o tema escolhido

- Evitem explicar muitos conceitos e definições sobre o tema, o mais importante agora é determinar o que vocês pretendem abordar, e não fazer um resumo sobre o assunto

- Para aqueles grupos que solicitarem fazer Painel, sugerimos que todos os alunos do grupo só peçam o tema se tiverem segurança de falar em público (se você não gosta de apresentar seminários, é melhor escolher a opção Só blog)


Fiquem atentos a novas publicações no Blog regularmente

Abaixo vai um projeto selecionado no semestre passado, para servir como guia:


Extremos da Tolerância Humana


O ser humano, assim como qualquer outro ser vivo, possui limites. Limites, estes, que muitas pessoas alcançam por vontade própria, por profissão ou mesmo por acidente. Ao encontrá-los, muitas vezes, não há mais volta: danos irreversíveis ou tratáveis até certo ponto podem ocorrer. Mas sempre se aprende alguma coisa com eles, pois é dessa forma que há a descoberta de novos tratamentos, novas máquinas e novos modos de viver. Muito do que se aprendeu nos séculos passados só foi possível porque alguém explorou barreiras e estudou-as para melhor entendê-las, nem sempre com o próprio corpo, mas também com a reação em animais ou plantas.

Neste trabalho, tentamos explorar do comum ao incomum, do predisposto geneticamente ao ocorrido por fatores ambientais ou nutricionais. Ao explorar com certa abrangência o tema, podemos tornar o conhecimento da própria natureza humana mais interessante a um olho que era menos atento às situações que podemos nos encontrar. Da mesma forma, daremos a consciência àqueles que não respeitam o próprio corpo e o agridem sem saber.

Entre os tópicos apresentados, teremos a explanação das reações corpóreas a altas temperaturas e suas conseqüências em pessoas que normalmente estão expostas a elas (como bombeiros) que variam de leves à graves danos à várias regiões do corpo, como a córnea do globo ocular. Da mesma forma disporemos o inverso, como as células de um ser humano reagem a baixas temperaturas, dando um enfoque parecido na descrição de casos e conseqüências.

Além disso, discutiremos o metabolismo de pessoas com falta de sono, variando em grau de dia a semana, suas formas de responder à situação e maneiras que o corpo acha de proteger-se disso. Abordaremos casos como insônia crônica e a relação da substância cafeína com o corpo sem descanso.

Em trabalhos anteriores, já foi discutido como ma baixa disponibilidade de água nos afeta. Neste, trabalharemos de outra forma. Pegaremos uma situação incomum, como um naufrágio, e exporemos os efeitos que podem ser ocasionados por uma superexposição do organismo à água , o resultado celular de uma ingestão de água do mar e como bioquimicamente predadores percebem a presença de uma pessoa na água.

Discutiremos também as populares enxaquecas e dores de queimaduras de segundo e terceiro graus, dando enfoque bioquímico à relação dos hormônios envolvidos no estímulo de dores e alguns neurotransmissores como serotonina, explicando a forma como o corpo reage a dores crônicas e a altas intensidades de dor.



Até mais!


Um comentário:

Ane Coelho BFP disse...

Parabéns, muito interessante o blog